Repercussão internacional da possível relação de Bolsonaro com o caso de Marielle e Anderson

<a href=”https://br.freepik.com/fotos-vetores-gratis/vintage">Vintage vetor criado por rawpixel.com — br.freepik.com</a>

Trago apenas, com esse texto, a repercussão internacional sobre a reportagem da TV Globo, em seu Jornal Nacional (29/10/2019), sobre a possível relação de Jair Bolsonaro com o crime que resultou na morte de Marielle Franco e Anderson Gomes. Sem mais, vamos as repercussões.

O jornal inglês The Guardian (https://www.theguardian.com/world/2019/oct/30/brazil-jair-bolsonaro-marielle-franco-murder-suspects) disse que Bolsonaro lançou um ataque raivoso ao que ele chamou de “mídia pútrida e imoral” porque a principal emissora brasileira o envolveu “na investigações sobre o mais notório assassinato político” na história recente do Brasil. Detalhando a reportagem da TV Globo, o jornal citou aliados do presidente, como o general Augusto Heleno (“”O povo brasileiro não permitirá que atinjam seus objetivos venenosos”) e Silas Malafaia (“Deus é um especialista em transformar o caos em bênçãos…”). Também citou adversários como como Marina Silva (“alegações muito graves … de modo que não a suspeita a mais ligeira pendure sobre o ocupante do escritório o mais elevado na república”), David Miranda (“Isso pode ser um golpe devastador para Bolsonaro”) e Marcelo Freixo (“Não se trata de acusar ou investigar o presidente, mas sobre investigar se alguém que estava na casa do presidente estava envolvido. É uma investigação e não uma acusação”). Termina citando possíveis relações de Bolsonaro com milicianos.

O francês Le Figaro apresenta o título “Brasil: Bolsonaro protesta contra a TV Globo por tê-lo vinculado ao caso Marielle Franco”. No corpo da notícia, o jornal francês faz um resumo do caso Marielle, descreve a crítica de Bolsonaro à Globo e termina lembrando que o assassinato da vereadora foi um crime que chocou o mundo.

O jornal The Washington Post (https://www.washingtonpost.com/nation/2019/10/30/jair-bolsonaro-marielle-franco-murder-link/) aborda a live de Bolsonaro, analisando sua voz embargada, o uso da terceira pessoa para fazer referência a ele mesmo e sua raiva. A ameaça que o presidente fez de tirar a concessão da Globo não foi esquecida, assim como a fragilidade do governo no momento, fazendo referência ao óleo no Nordeste e a crise com o presidente eleito da Argentina. O jornal ainda avisa que Bolsonaro pode ficar isolado.

O site Bloomberg (https://www.bloomberg.com/news/articles/2019-10-30/brazil-s-bolsonaro-furious-as-his-name-is-cited-in-murder-case) diz que Bolsonaro está furioso por ter sido citado. Faz, também, um resumo da reportagem da Globo e afirma que Bolsonaro acusou o governador do Rio De Janeiro, Wilson Witzel, de estar por trás de tudo. Apesar disso, o site também afirma que Witzel nega tudo.

Outros órgãos da imprensa internacional também noticiaram o caso. A Agência Reuters (https://www.reuters.com/article/us-brazil-politics-bolsonaro/brazils-bolsonaro-threatens-to-cancel-license-of-network-linking-his-name-to-murder-case-idUSKBN1X91VW) noticiou que Bolsonaro ameaça tirar a concessão da Globo por ligá-lo a um assassinato. The Telegraphy (https://www.telegraph.co.uk/news/2019/10/30/furious-jair-bolsonaro-denies-link-assassination-left-wing-politician/), em sua manchete, diz que Bolsonaro está furioso e nega ligação com assassinato de política de esquerda. A Euronews (https://www.euronews.com/2019/10/30/brazil-justice-minister-calls-for-investigation-into-testimony-linking-bolsonaro-to-murder-case) aborda o fato do ministro da Justiça de Bolsonaro pedir uma investigação do testemunho que vincula Bolsonaro a caso de assassinato.

Alexandre L Silva

P.S.: A live de Bolsonaro parecia muito com o quadro do militante de esquerda, feito pelo Marcelo Adnet, no programa Tá no Ar: A TV na TV, da Rede Globo. Alguém percebeu?

Ex-professor de diversas universidades públicas e particulares. Lecionou na UFF e na UERJ. Articulista de opartisano.org e escritor da New Order no Medium.

Ex-professor de diversas universidades públicas e particulares. Lecionou na UFF e na UERJ. Articulista de opartisano.org e escritor da New Order no Medium.