Quem ganha com a crise brasileira e o governo Bolsonaro

<a href=”https://br.freepik.com/fotos-vetores-gratis/negocio">Negócio vetor criado por dooder — br.freepik.com</a>

Em 2011 temos o início da crise mundial das commodities e a desaceleração da economia chinesa, coincidindo com o início do governo de Dilma Rousseff (PT) no Brasil. Não é preciso lembrar que os principais produtos de exportação brasileiros são commodities. Entre os dez principais produtos de exportação, hoje, só o oitavo e o nono não são commodities, como podemos constatar pela lista abaixo (https://www.fazcomex.com.br/blog/quais-principais-produtos-exportados-brasil/):

1º) soja (13% do total de exportações com receita de US$ 9,51 bilhões);

2º) petróleo (US$ 8,2 bilhões)

3º) minério de ferro (US$ 5,7 bilhões, 7,9%)

4º) carne de frango (2,6%, US$ 1,88 bilhões);

5º) farelo de soja (US$ 1,85 bilhões);

6º) carne de boi ( US$ 1,67 bilhão, 2,3%);

7º) grãos de café (2,2%, US$ 1,56 bilhão);

8º) aviões (US$ 1,29 bilhão, 1,8%);

9º) automóveis (1,7%, US$ 1,24 bilhão);

10º) milho (1,7%, US$ 1,23 bilhão).

Assim, com a China sendo nosso principal parceiro comercial e as commodities nossos principais produtos de exportação, seria natural que uma crise chegasse mais dia, menos dia.

Em meados de 2014, a crise que estamos vivendo teve seu começo. Se pensarmos bem, o Brasil resistiu por um bom tempo através de suas reserva e a estrutura econômica montada no governo Lula (PT) e parte do governo Dilma. Entretanto, a crise chega e a economia brasileira começa a senti-la. Juntamente com ela, acontece uma eleição presidencial, ganha por Dilma (segundo mandato) e não muito bem aceita pelo segundo colocado, Aécio Neves (PSDB).

Aécio, PSDB e boa parte do PMDB (atual MDB) começam a tentar de tudo para enfraquecer Dilma. Outros partidos de direita e grupos partidários, como o Centrão, ajudam a criar e expandir uma crise política. Em 31 de agosto de 2016, o impeachment de Dilma Rousseff acontece. Assume em seu lugar Michel Miguel Elias Temer Lulia, o Michel Temer (PMDB). Está encerrado o golpe contra Dilma, mas não contra o Brasil, já que ele continua sofrendo as consequências até agora.

Michel Temer governa até o final daquele que deveria ser o segundo mandato de Dilma, 2018. Entre escândalos, consegue aprovar, com o apoio da grande mídia e com a promessa de uma vasta criação de empregos, a reforma trabalhista. Esta reforma em nada ajuda a criar empregos e o Brasil continua sua crise.

No final de 2018, Bolsonaro, um deputado federal do baixo clero e de extrema-direita, ganha uma eleição espúria, com seu principal concorrente, Lula, impedido de concorrer por aquele que será seu ministro da Justiça e Segurança Pública. Bolsonaro continua o projeto econômico de Temer e, em seu governo, aprova a reforma da previdência, prometendo as mesmas vantagens econômicas que Temer prometeu. Reforma praticamente aprovada e a crise econômica não dá sinais de melhora. O Brasil prossegue em crise, e agora com um governo de ideologia fascista.

O resultado de tudo que isso (golpe, Temer, Bolsonaro e sua campanha) foi o aumento da desigualdade entre ricos e pobres para níveis nunca antes registrados. (https://www.dw.com/pt-br/desigualdade-entre-ricos-e-pobres-%C3%A9-a-mais-alta-registrada-no-brasil/a-50860552).

Em 2018, os mais ricos (1% da população) viram seus rendimentos crescerem 8,4%. Enquanto isso, os 30% mais pobres tiveram os rendimentos diminuídos em até 3,2%, conforme demonstra o IBGE. Esse mesmo 1% tem um rendimento 33,8 vezes maior que os 50% mais pobres. Em reais, aqueles que pertencem ao 1% da população mais rica têm rendimento médio mensal de 27.744 reais, enquanto os 5% mais pobres de 153 reais. Houve também uma queda na distribuição da Bolsa Família: de 15,9% em 2012 para 13,7% em todo o país.

Os dados do IBGE falam por si só e são incontestáveis. Quem ganhou com a crise, o golpe, Temer e Bolsonaro foram os mais ricos. Quem pagou por tudo isso foram os mais pobres.

Caso ainda exista alguém que não está convencido com esses dados, observem aqueles apresentados pelo Ipea — Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada sobre a inflação (http://www.ipea.gov.br/cartadeconjuntura/index.php/tag/inflacao-por-classe-social/). Nele, o Ipea compara a inflação em fevereiro de 2018 e o mesmo mês de 2019. Só quem tem renda média alta e renda alta que teve um peso menor da inflação em 2019. O restante (renda muito baixa, baixa, média baixa e média) teve um peso maior na inflação em 2019. Apesar da inflação ser maior, nos três últimos meses da pesquisa para as classes mais baixas, principalmente, e para as mais altas, o acumulado do ano demonstra que quanto mais alta é a classe, menor é a inflação.

A conclusão do artigo é, portanto, bastante óbvia. Com achegada da direita de Temer e da extrema-direita de Bolsonaro ao poder, só as classes mais altas sairam ganhando. As classes mais baixas perderam direitos trabalhistas, empregos, reduziram seus salários, ganharam uma inflação maior e terão que trabalhar mais para se aposentar.

Depois disso, se você votou e continua apoiando Bolsonaro, parabéns, você é um gênio.

Alexandre Lessa da Silva

P.S.: Por favor, divulguem este artigo, já que seu conteúdo é importante ser vinculado.

--

--

--

Ex-professor de diversas universidades públicas e particulares. Lecionou na UFF e na UERJ. Articulista de opartisano.org e escritor da New Order no Medium.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Alexandre L Silva

Alexandre L Silva

Ex-professor de diversas universidades públicas e particulares. Lecionou na UFF e na UERJ. Articulista de opartisano.org e escritor da New Order no Medium.

More from Medium

Ignoring Early Eye Examination Leads To Diabetic Retinopathy

SIMPLE SURVIVAL DESERT HOUSE IN MINECRAFT TUTORIAL

Is Grey Lens Good on Dark Skin?

Self-Organising Maps