Bolsonaro e o projeto de destruição das instituições democráticas: a questão do STF

<a href=”https://br.freepik.com/fotos-vetores-gratis/familia">Família foto criado por jcomp — br.freepik.com</a>

Há um projeto de acabar com a democracia no Brasil em andamento. Esse projeto começou com o lawfare, isto é, o uso de leis positivas e do aparato do Poder Judiciário e do Ministério Público para, de forma aparentemente legal, atacar os inimigos políticos e os críticos. Prossegue para a captura dos árbitros, isto é, aqueles que são responsáveis por julgar e tomar decisões no âmbito legal. Segue com a destruição das grades de proteção da democracia, costumes e regras não escritas que protegem a convivência democrática. E, nesse momento, caminha para a destruição das instituições democráticas, como o STF (Supremo Tribunal Federal) por exemplo (1). É importante notar que nenhuma dessas etapas cessa quando uma outra começa, pois o que ocorre é um movimento de superação (Aufhebung) em que uma etapa traz consigo as outras (2).

Só em novembro do corrente ano (2019) que o STF mudou o entendimento sobre a prisão em segunda instância e decidiu pela sua inconstitucionalidade, algo que era evidente simplesmente por consultar o texto da Constituição Federal (3). Até então, os julgamentos do STF sobre o assunto eram excelentes exemplos de lawfare contra Lula e de “captura dos árbitros”, conforme o texto de Levitsky e Ziblatt. Entretanto, com sua decisão contrária à prisão em segunda instância, o STF entre de vez na mira do governo Bolsonaro que tenta acabar com sua credibilidade e, quiçá, destruí-lo.

Em 02/10/2019, o STF formou maioria em plenário no sentido de que em ações com réus colaboradores e não colaboradores (delatores e delatados), os réus delatados têm o direito de apresentar as alegações finais após os réus delatores. Isso parece bem óbvio, já que alguém só pode se defender se sabe do que é acusado. Entretanto, o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da Quarta Região), em 27/11/2019, confirmou a condenação de Lula no processo do Sítio de Atibaia e, ainda, aumentou substancialmente sua pena. O argumento do TRF-4 utilizou o princípio ‘pas de nullité sans grief’ (não é anulado um ato sem que seja provado o prejuízo que ele provocou) para rejeitar a decisão do STF, o que é um absurdo completo, Ora, o que a defesa mais fez foi provar o prejuízo de Lula. Além disso, a indicação do STF é clara no sentido da ordem das alegações, o que não foi respeitado pelo TRF-4.

Outro dia, uma notícia acabou chamando a minha atenção. Em 05 de dezembro de 2019, o site Consultório Jurídico publicou uma matéria com o título ‘Para soltar homem preso por ser pobre, STJ supera súmula do STF’ (4). Basicamente, a matéria nos conta que um desembargador do STJ acolheu um habeas corpus de um homem que alegava que não tinha dinheiro para pagar a fiança e, por isso, estava preso. O desembargador alegou que manter uma pessoa presa somente porque ela é pobre e não tem condição de pagar a fiança é ilegal, violando claramente, assim, a Súmula 691 do STF. Vejam, para mim, fiança é algo que nem deveria existir. Entretanto, se existe, ela perde toda sua função nesse caso e a pessoa, em questão, passa a ser favorecida porque é pobre. Mas, esse não é o problema. O imenso problema é que um desembargador de uma corte inferior passa a julgar desrespeitando uma corte superior, o que acaba com toda estrutura jurídica, enfraquecendo o STF e retirando todo o seu sentido, pois as decisões do STF passam a ter nenhum valor.

O STF não é a única instituição democrática a ser atacada, mas é a que mais chama atenção no momento. Caso esse projeto não seja detido, o Brasil corre um sério risco de passar, mais uma vez, por uma ditadura. É preciso, então, que o STF e a sociedade deem uma dura resposta a todos esses ataques e que, de forma nenhuma, coadune-se com aqueles que querem o destruir.

Alexandre L Silva

Notas:

(1) Devo as categorias empregadas até aqui a Steven Levitsky e Daniel Ziblatt, na obra Como As democracias morrem, editada pela Zahar no Rio de Janeiro em 2018.

(2) O conceito de Aufhebung é proveniente de Hegel e, também, é muito utilizado por Marx e Engels em suas obras.

(3) Art. 5, inc. LVII da Constituição Federal de 88: ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória.

(4) https://www.conjur.com.br/2019-dez-05/soltar-homem-preso-pobre-stj-supera-sumula-stf

--

--

--

Ex-professor de diversas universidades públicas e particulares. Lecionou na UFF e na UERJ. Articulista de opartisano.org e escritor da New Order no Medium.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Alexandre L Silva

Alexandre L Silva

Ex-professor de diversas universidades públicas e particulares. Lecionou na UFF e na UERJ. Articulista de opartisano.org e escritor da New Order no Medium.

More from Medium

THANKING THE PROTOTYPES!

thanking the prototypes yeahsometimesitalk.com

Study on the Efficacy of Pondguard in Improving Clinical Performance of White Leg Shrimp (Penaeus…

How Much For A Bunch Of Onions?

THE STATIC — Fractured Bodies